Encontra a Golf 4 You nas principais redes sociais e ajuda-nos a promover o Golfe Português Golf 4 You no Facebook Facebook Golf 4 You no LinkedIn LinkedIn

Últimas

Eles bem tentaram...
Eles bem tentaram...

João Ramos e Ricardo Santos concluíram o primeiro dia do Palmares Classic V do Portugal Pro Golf T...

Ler mais
Kiko continua a vencer

Depois do seu pai, Pedro Matos Coelho, ter acusado a Federação Portuguesa de Golfe de bullying rel...

Ler mais
Justin Thomas ataca o pódio

O 2º lugar de Justin Thomas no Genesis Open permitiu-lhe a aproximação a Dustin Johnson no 3º lu...

Ler mais
Para reflectir II

Para reflectir II

Publicado em 26 de Outubro de 2010 às 23:00

Para reflectir II Circuito nacional para quando?

Portugal tem como única bandeira no panorama internacional profissional, José Filipe Lima, um luso descendente, que a FPG, e bem, acolheu e patrocinou com o objectivo de divulgar o nome de Portugal no circuito europeu. São atitudes dignas de louvar e que se pretendem contínuas, no entanto, serão inconsequentes se forem estanques e isoladas.

Mais nomes e referências nacionais existirão com a criação de um circuito nacional, com o aumento de competitividade e disputa interna e com os lógicos apoios das entidades competentes, nomeadamente ao nível da sponsorização. De acordo com os números divulgados na comunicação social, António Rosado, antigo campeão nacional de sub-18, em Julho de 2009, sagrou-se campeão nacional, na ilha da Madeira no campo desenhado pelo espanhol Severiano Ballesteros - Porto Santo Golfe -, arrecadando 2.350 euros, num torneio cujo prize money era de 22.000 euros. Foi a primeira vitória de Rosado desde que se tornou profissional, há menos de três anos. São números irrisórios face a valores que se praticam em outras modalidades, mais concretamente o futebol, e principalmente quando estamos a falar de um campeão nacional federado. 

Portugal tem 84 campos de golfe, excelentes infra-estruturas de apoio ao nível do sector do turismo e um clima ameno. Algarve e a grande Lisboa são, estrategicamente, as principais zonas a oferecer maior quantidade de campos e melhor qualidade hoteleira. Somos um dos raros países mundiais que tem, embora privado, um canal televisivo de golfe. Em traços largos poderíamos afirmar que temos tudo para ter um campeonato nacional profissional competitivo e que se estendesse de norte a sul do país, mas a realidade é que não temos.

O campeão nacional profissional é apurado num só torneio, o que levanta a natural questão: o que falta? A resposta óbvia: Sponsors, pois potenciais bons jogadores já temos.

A existência de um circuito nacional, digno desse nome, passa forçosamente por este binómio: Sponsors e jogadores referência.