Encontra a Golf 4 You nas principais redes sociais e ajuda-nos a promover o Golfe Português Golf 4 You no Facebook Facebook Golf 4 You no LinkedIn LinkedIn

Últimas

Não se pode ganhar sempre…
Não se pode ganhar sempre…

Depois de conquistar a sua primeira vitória nos Estados Unidos, João Magalhães não conseguiu mel...

Ler mais
João Girão ainda tentou mais alguma coisa

João Girão terminou no 37º lugar do Quail Valley Intercollegiate Invitational com +2. O portugu...

Ler mais
Um resultado que vem em boa altura

Apesar das condições adversas, Ricardo Melo Gouveia fez uma das melhores rondas do dia no British ...

Ler mais
Tudo o que sobe... também desce

Tudo o que sobe... também desce

Publicado em 8 de Novembro de 2010 às 23:00

Tudo o que sobe... também desceEnquanto Francesco Molinari brilhava com a conquista do HSBC Champions e Lee Westwood confirmava o porquê de ter chegado a número 1 mundial, Tiger Woods, esse, ficava mais perto de falhar novo objectivo. Pela primeira vez em 14 épocas como profissional, o Tigre continua sem vencer, embora ainda a três anos do 17 temporadas consecutivas de vitórias, estabelecido pelos lendários Arnold Palmer e Jack Nicklaus. Tiger ainda tem o Australian Masters, que arranca na quinta-feira, em Melbourne, e onde vai defender o título conquistado o ano passado – a sua última vitória –, e será o anfitrião do Chevron World Challenge na primeira semana de Dezembro, prova que conta igualmente para o ranking mundial. Depois de ter cedido a liderança mundial a Lee Westwood na semana anterior - pode mesmo até cair para 3º no próximo domingo -, a temporada daquele que é considerado por muitos o melhor golfista de todos os tempos foi um autêntico desastre dentro e fora dos campos. Tudo começou no final de 2009 com as inúmeras revelações da sua infidelidade, que culminaram com a separação da ex-modelo sueca Elin Nordegren e o afastaram da competição quase cinco meses. Separou-se igualmente do treinador Hank Haney para começar a trabalhar com Sean Foley no PGA Championship, em Agosto, mas apesar de ter garantido que estava a sentir mais progressos do que quando começou a ser treinado por Butch Harmon, em 1996, e Haney, em 2004, a verdade é que as vitórias ainda não apareceram. Este ano, Tiger tem apenas três top-10 – dois empates no quarto lugar no Masters e US Open e agora no sexto lugar no HSBC Champions –, falhou a qualificação para o Tour Championship, final do play-off da FedEx Cup, pela primeira vez na carreira e não conseguiu disputar os 15 torneios exigidos para garantir automaticamente o cartão do PGA Tour, o que significa que não pode ser nomeado para Jogador do Ano. E desde o 4º lugar em Pebble Beach, quando ficou a três pancadas do primeiro lugar, que o antigo número 1 mundial não consegue ficar mais próximo do que a oito shots do líder. E em Xangai, apesar de sexto, ficou a 12... Será falta de confiança, como diz Ernie Els, tricampeão de majors? Tiger diz que não, mas...