Encontra a Golf 4 You nas principais redes sociais e ajuda-nos a promover o Golfe Português Golf 4 You no Facebook Facebook Golf 4 You no LinkedIn LinkedIn

Últimas

Spieth volta às vitórias
Spieth volta às vitórias

Jordan Spieth conquistou o décimo título da carreira no PGA Tour, depois de bater Daniel Berger no...

Ler mais
Stark entre para o lote dos campeões

Num dia ventoso, Oscar Stark conquistou o Made in Denmark Challenge e estreou-se a vencer no Challen...

Ler mais
Romero acaba forte

Andres Romero fez um birdie no 18 para conquistar o BMW International Open por apenas uma pancada. ...

Ler mais
Westwood acaba com Tiger

Westwood acaba com Tiger

Publicado em 28 de Fevereiro de 2011 às 23:00

Tiger Woods e Lee WestwoodQuase cinco anos e meio depois, mais concretamente 282 semanas, o ranking mundial tem um novo líder.
Lee Westwood destronou Tiger Woods e devolveu à Europa a hegemonia que não acontecia desde 31 de Janeiro de 1994, quando Sir Nick Faldo comandou a tabela pela última vez.

Nos últimos meses, e depois do escândalo sexual que levou ao ocaso do californiano, Phil Mickelson teve 12 oportunidades de chegar a número 1, Steve Stricker quatro e Martin Kaymer uma. Mas o alemão ficou este domingo no 21º lugar na Andaluzia e o título sobrou para Westwood, que até está praticamente parado (devido a lesão) desde Agosto.

Contudo, esta mudança da líder poderá ser efémera porque Tiger Woods regressa à competição na próxima semana, em Xangai, China, para disputar o HSBC Champions.
Tiger Woods tornou-se profissional em Agosto de 1996 e logo chocou o mundo ao assinar contratos multimilionários com a Nike, no valor de $40M, e com a Titleist, na ordem dos $20M.

Mas os seus “parceiros” sabiam o que faziam, pois o Tigre chegou pela primeira vez à liderança do ranking mundial no dia 15 de Julho de 1997, apenas na sua 42ª semana como profissional, depois de ganhar o Masters e três outros torneios do PGA Tour. Desde aí foi só ganhar.

Tiger soma já um total de 14 majors, apenas superado pelos 18 do lendário Jack Nicklaus, bem como um 71 torneios, o 3º mais bem sucedido de todos os tempos.
Contudo, a 11 de Dezembro 2009, Tiger anunciou que ia fazer uma pausa, após se ver envolvido num escândalo sexual, que levou ao seu divórcio com a ex-modelo sueca Elin Nordegren.

Woods regressou à competição 20 semanas depois, no Masters 2010, mas ainda não conseguiu uma única vitória este ano, o que acontece pela primeira vez na carreira de profissional. Mesmo assim, segundo um estudo da Forbes, lançado em Julho passado, Tiger continua a ser o desportista mais bem pago do mundo com ganhos na ordem dos $105M e de “apenas” $90,5M para a Sports Illustrated.

Como funciona o ranking?

World RankingComo é possível um golfista possa ser número 1 sem jogar? Como pode um golfista liderar o ranking tendo estado lesionado os últimos nove meses? São perguntas compreensíveis, mas que as regras actuais o permitem. A classificação mundial rege-se por um sistema de resultados obtidos nos últimos anos, embora, apesar de algumas críticas, talvez seja o mais justo.

  • Cada torneio tem um valor de pontos em função da qualidade de jogadores que o disputam, atendendo tanto ao ranking mundial como à classificação continental do circuito a que pertence. O valor mais alto dado aos principais torneios – majors, etc. – valem 100 pontos para o vencedor
  • Ao contrário, por exemplo, do ténis, os pontos não conservam o valor até ao ano seguinte, sendo que a partir da 14ª semana vão perdendo progressivamente cotação. Em vez de multiplicar por 1, como ocorre nessas 13 semanas (ex: os 100 pontos valem sempre 100 pontos, na 14º pontua 0,9891, na 15ª 0,9783 e assim sucessivamente, até que ao fim de dois anos se multiplicam por 0 e perdem o seu valor
  • Essa desvalorização obedece à seguinte equação. Dois anos são 104 semanas. Se tirarmos as 13 em que mantêm o seu valor, restam 91. Os 0,0109 que se perde a cada sete dias é o resultado de 1 a dividir por 91.
  • Somados todos os pontos, os que conservam o seu valor e os que vão perdendo cotação, chega-se a um número que dividimos pelo número de torneios disputados. O mínimo é 40 (na realidade, Tiger só jogou 31 nos últimos dois anos devido a lesões e ao escândalo sexual em que se envolvido) e o máximo 60. Isto explica porquê que Lee Westwood a jogar aumentava o seu divisor e prejudicava a sua média.
  • A divisão dá um número com casas decimais, com as quais se ordena o ranking mundial. As milésimas são arredondadas.

Quem é Lee Westwood?

Lee WestwoodLee John Westwood nasceu no dia 24 de Abril de 1973, em Worksop, Nottinghamshire, Inglaterra.
O inglês, de 37 anos, deu as primeiras tacadas aos 13, depois do seu pai, um professor de matemática que se iniciara recentemente no golfe, lhe oferecer meio set de ferros.

Um talentoso jogador de rugby, cricket e futebol na escola, Lee Westwood cedo mostrou igualmente apetências para esta modalidade.
Com 15 anos sagrou-se campeão júnior do Nottinghamshire e em 1990 conquistou o seu primeiro torneio amador, o Peter McEvoy Trophy. Três anos mais tarde conquistou o British Youth Championship e decidiu tornar-se profissional.

O Volvo Scandinavian Masters, em 1996, foi a primeira das suas 32 vitórias profissionais, muito antes de decidir fazer uma pausa no seu jogo. Antes, em 1999, casou com Laurae Collart, irmã do jogador escocês da Ryder Cup Andrew Collart.

Em 2001, e após o nascimento do seu primeiro filho Samuel Bevan – Poppy Grace nasceu apenas em 2004 –, juntou-se ao guru David Leadbetter para restruturar o seu swing, regressando em 2003, com uma vitória na Alemanha. Após quase dois anos sem vencer, e após uma longa e negra fase em que desceu do pedestal de vencedor da Ordem de Mérito Europeia (2000) até ao 266º lugar do ranking mundial, confirmou-se como o jogador mais consistente do mundo, voltando a vencer a Ordem de Mérito Europeia (2009) e vários torneios, incluindo o Portugal Masters de 2009, um triunfo que o catapultou para a vitória na Race to Dubai desse ano e que vai culminar, agora, com a ascenção ao topo da hierarquia mundial.

Sem nunca ter vencido um major – nos últimos cinco ficou no top-3 em quatro deles –, o britânico, que foi o principal motor da vitória europeia na Ryder Cup, até poderia ter chegado a número 1 há três semanas no Portugal Masters, mas ressentiu-se da lesão no gémeo, durante o Alfred Dunhill Links Championship, que já o tinha afastado da competição durante mais de oito semanas, e decidiu repousar até ao fim deste mês.

O HSBC Champions será o seu primeiro torneio como número 1, prova em que irá medir forças com Tiger Woods, Martin Kaymer, Phil Mickelson e Steve Stricker, todos com possibilidade de ascender ao primeiro lugar do ranking.