Encontra a Golf 4 You nas principais redes sociais e ajuda-nos a promover o Golfe Português Golf 4 You no Facebook Facebook Golf 4 You no LinkedIn LinkedIn

Últimas

Muito trabalho pela frente
Muito trabalho pela frente

Ricardo Melo Gouveia comprometeu seriamente o seu lugar no cut do BMW PGA Championship, depois de en...

Ler mais
Ricardo Santos deu espetáculo

Depois de exibições menos conseguidas no arranque da nova época do Challenge Tour, Ricardo Santos...

Ler mais
Um nome a estar atento

Aaron Wise “realizou um sonho”, ao estrear-se a vencer no PGA Tour, apenas no seu 18º torneio c...

Ler mais
Para inglês ver...

Para inglês ver...

Publicado em 29 de Novembro de 2010 às 23:00

Para inglês ver...O bom tempo, a vasta oferta de campos ou o apoio de José Mourinho são alguns pontos que favorecem, e de que maneira, a candidatura portuguesa à organização da Ryder Cup 2018. Mas há um factor que, sem dúvida, joga contra: a falta de jogadores-referência no Tour. A eliminação de António Rosado, Ricardo Santos e Tiago Cruz na 2ª Fase da Escola de Qualificação do European Tour veio dar mais força a este "problema" e veio colocar ainda uma maior pressão sobre os ombros de José Filipe Lima.Para inglês ver... A pouco mais de cinco meses do anúncio final da candidatura vencedora, Filipe Lima está obrigado a garantir o cartão para 2011 na final, de forma a termos um português no principal circuito europeu. Parece haver, contudo, um trunfo inesperado: Mónia Bernardo começou ontem a disputar a pré-qualificação para a final da "escola" do Ladies European Tour e de uma forma que nos deixa com boas perspectivas. Temos agora a falada "fusão" do Open de Portugal e do Portugal Masters. Parece ser mais um ponto a cair bem no goto do responsáveis do golfe europeu. O prize-money de €4M transformaria a prova numa das principais do European Tour e poderia ser suficiente para convencer jogadores como Lee Westwood, Martin Kaymer, Paul Casey, Ian Poulter, Rory McIlroy ou, até quem sabe, Para inglês ver...Tiger Woods, a vir ao nosso país. Mas isto não nos pode "distrair" do principal problema. Passou-me pela cabeça o seguinte: numa altura em que se está a investir na promoção de Portugal lá fora, seria importante (ou poderia pensar-se) tirar uma pequeníssima fatia desse mesmo investimento para contribuir para o desenvolvimento do golfe profissional. Por exemplo, pegar em €220 000 – para termos uma ideia da insignificância dos números, o empresário André Jordan falou recentemente ser necessário num investimento de 50 milhões para Portugal receber o Ryder Cup, ou seja, 0,44% deste valor – e criar um circuito nacional, à razão de um torneio por mês, entre Janeiro e Novembro, dotados em prémios de €20 000. Juntaríamos os "pros" e o top-10 amador. Seria uma boa forma de preparar os nossos jogadores provas internacionais.

Para inglês ver... Lá fora parece estar tudo muito bem impressionado (e ainda bem), mas também é tempo de darmos uma força ao golfe nacional em... Portugal.