Encontra a Golf 4 You nas principais redes sociais e ajuda-nos a promover o Golfe Português Golf 4 You no Facebook Facebook Golf 4 You no LinkedIn LinkedIn

Últimas

Dani segura a Taça
Dani segura a Taça

Pelo segundo ano consecutivo um português conquistou o Internacional Amador de Portugal. Depois de...

Ler mais
Por João Ramos continuava…

Dois birdies a acabar deixaram João Ramos à porta do top-10 do Penina Classic IV. Mais buracos ho...

Ler mais
Langfords endiabrado

Per Langfords entregou um cartão de 64 pancadas (-8) para assumir a liderança isolada do ISPS Hand...

Ler mais
Golfe para todos

Golfe para todos

Publicado em 31 de Janeiro de 2011 às 23:00

Golfe para todosAprende-se mais sobre nós próprios numa volta de 18 buracos do que em 18 anos de vida. A afirmação poderá ser um pouco exagerada mas não deixa de ter algum sentido, pois em muitas voltas ficamos a conhecermo-nos um pouco melhor, senão vejamos: conseguimos perceber quais as nossas limitações, os nossos receios, os nossos medos, onde falhamos, com que frequência, como reagimos a eles, qual o espaço de tempo que necessitamos para obter máxima concentração, qual a nossa capacidade de resposta ao erro, mas principalmente, podemos aprender como superar as nossas lacunas, sejam elas de ordem física, intelectual e ou emocional.

E é neste aspecto que julgo ser de primordial importância, o papel fulcral que poderá desempenhar o desporto em geral, neste caso, o jogo de golfe, no desenvolvimento sustentado e equilibrado do indivíduo desde tenra idade.

Golfe para todosJorge Gabriel, numa recente entrevista à Golf 4 You (ver aqui), refere e bem que deve ser o golfe e os seus profissionais a dirigirem-se às escolas e não o contrário, caso se pretenda que este fantástico jogo se expanda em Portugal. Mais sugere que deveriam existir campos municipais de maneira a que as crianças possam tomar contacto desde cedo com a modalidade. Os elevados preços de green-fee, a dificuldade em entrar num clube de golfe e os preços praticados por umas simples aulas de iniciação ao golfe, limitam e de que maneira a aproximação da população jovem. E é desde jovem que se deve praticar este ou outro qualquer desporto, a criança não tem vícios posturais, constrangimentos, joga de forma espontânea e desprendida, pelo que lhe é muito mais fácil a natural integração no meio.

Está mais que comprovado os benefícios que o golfe trás à saúde e bem-estar dos adultos, pelo que é legitima que se faça a seguinte pergunta: Porque não alargar essas mesmas vantagens aos nossos filhos, às crianças, à população jovem em geral? Se é fácil? É obvio que não, mas com esforços congregados e principalmente com vontade, tudo se faz.