Encontra a Golf 4 You nas principais redes sociais e ajuda-nos a promover o Golfe Português Golf 4 You no Facebook Facebook Golf 4 You no LinkedIn LinkedIn

Últimas

Amanhã há mais…
Amanhã há mais…

O mau tempo impediu que Ricardo Melo Gouveia saísse para o campo, para jogar a segunda ronda do And...

Ler mais
No caminho certo

Pedro Figueiredo e Filipe Lima tiveram um segundo dia de Gosan Open sem erros e dividem agora o 23º...

Ler mais
Melo Gouveia sabe que isto ainda não acabou...

Dois bogeys nos primeiros três buracos poderiam ter condicionado seriamente a estreia de Ricardo Me...

Ler mais
De má memória

De má memória

Publicado em 6 de Junho de 2011 às 23:00

De má memóriaÉ seguramente uma das histórias mais incríveis do golfe mundial.

E parece mesmo tirada do Dia das Mentiras…

Um ano depois de ter conquistado o British Open’1997, Roberto de Vicenzo, natural de Villa Balester, em Buenos Aires, Argentina, não venceu o segundo major por assinar um cartão errado.

Actualmente com 88 anos, o argentino falhou a conquista do Masters’1968, depois do seu parceiro de jogo, Tommy Aaron, que lhe marcava o cartão, ter assinado um 4 no Par-4 do 17, quando na realidade De Vicenzo tinha feito um birdie.

Isto precisamente no dia do seu 45º aniversário…

Caso tivesse detectado o erro a tempo, De Vicenzo, vencedor de mais de 230 torneios em todo o mundo, 100 dos quais internacionais, teria discutido o play-off de 18 buracos no dia seguinte com Bob Goalby.

“Que estúpido que sou”, disse na altura.

Mesmo assim, após o torneio o presidente do Augusta National, Clifford Roberts, ofereceu ao argentino uma caixa de cigarros em prata com o nome de todos os vencedores inscritos – um prémio que pela primeira e única vez, entre 1954 e 1992, foi oferecido a um não-vencedor.

E mais recentemente, um grupo de jogadores enviou-lhe um famoso casaco verde que De Vicenzo nunca quis vestir…De má memória

“Para mim, esse Masters ainda não acabou. Tecnicamente, está acabado, mas ainda falta alguma coisa. O vencedor nunca foi encontrado. Falta um final. Talvez, um dia, em qualquer outro lugar, isso seja decidido”, disse o sul-americano numa entrevista à Golf Digest, em 2006.

De Vicenzo faz parte da World Golf Hall of Fame desde 1989, sete anos antes da sua reforma oficial.