Encontra a Golf 4 You nas principais redes sociais e ajuda-nos a promover o Golfe Português Golf 4 You no Facebook Facebook Golf 4 You no LinkedIn LinkedIn

Últimas

Figgy na luta por nova vitória
Figgy na luta por nova vitória

Pedro Figueiredo parece ter gostado do sabor da vitória. Duas semanas depois de ter conquistado o ...

Ler mais
Vento e rough foram um desafio para todos

Filipe Lima e Ricardo Melo Gouveia não conseguiram bater o Par-72 do GC Gut Laerchenhof, mas o camp...

Ler mais
Susana eliminada

Susana Mendes Ribeiro teve um dia difícil no Lavaux Ladies Championship 2018 e acabou mesmo por fal...

Ler mais
De má memória

De má memória

Publicado em 6 de Junho de 2011 às 23:00

De má memóriaÉ seguramente uma das histórias mais incríveis do golfe mundial.

E parece mesmo tirada do Dia das Mentiras…

Um ano depois de ter conquistado o British Open’1997, Roberto de Vicenzo, natural de Villa Balester, em Buenos Aires, Argentina, não venceu o segundo major por assinar um cartão errado.

Actualmente com 88 anos, o argentino falhou a conquista do Masters’1968, depois do seu parceiro de jogo, Tommy Aaron, que lhe marcava o cartão, ter assinado um 4 no Par-4 do 17, quando na realidade De Vicenzo tinha feito um birdie.

Isto precisamente no dia do seu 45º aniversário…

Caso tivesse detectado o erro a tempo, De Vicenzo, vencedor de mais de 230 torneios em todo o mundo, 100 dos quais internacionais, teria discutido o play-off de 18 buracos no dia seguinte com Bob Goalby.

“Que estúpido que sou”, disse na altura.

Mesmo assim, após o torneio o presidente do Augusta National, Clifford Roberts, ofereceu ao argentino uma caixa de cigarros em prata com o nome de todos os vencedores inscritos – um prémio que pela primeira e única vez, entre 1954 e 1992, foi oferecido a um não-vencedor.

E mais recentemente, um grupo de jogadores enviou-lhe um famoso casaco verde que De Vicenzo nunca quis vestir…De má memória

“Para mim, esse Masters ainda não acabou. Tecnicamente, está acabado, mas ainda falta alguma coisa. O vencedor nunca foi encontrado. Falta um final. Talvez, um dia, em qualquer outro lugar, isso seja decidido”, disse o sul-americano numa entrevista à Golf Digest, em 2006.

De Vicenzo faz parte da World Golf Hall of Fame desde 1989, sete anos antes da sua reforma oficial.