Encontra a Golf 4 You nas principais redes sociais e ajuda-nos a promover o Golfe Português Golf 4 You no Facebook Facebook Golf 4 You no LinkedIn LinkedIn

Últimas

Liderança em casa
Liderança em casa

Kevin Kisner parecia caminhar a passos largos para reforçar a liderança no British Open, mas um du...

Ler mais
Amanhã há mais

Filipe Lima vai ter de regressar amanhã ao Golf PGA France, depois do segundo dia do Le Vaudreuil G...

Ler mais
Kisner foi a estrela mais cintilante

Kevin Kisner lidera isolado o British Open, depois de entregar um cartão de 66 pancadas (-5). O ca...

Ler mais
Os conselhos de Michael Jordan

Os conselhos de Michael Jordan

Publicado em 1 de Agosto de 2011 às 23:00

Os conselhos de Michael JordanTiger Woods prepara-se para regressar à competição já depois de amanhã, 11 semanas depois de se ter retirado ao fim de nove buracos no The Players Championship.

Nesse período, o antigo número 1 mundial, actualmente no 28º lugar, o seu pior ranking desde 5 de Janeiro de 1994 – há mais de 14 anos e meio –, falhou o US Open e o British Open, levando inclusivamente muita gente a questionar-se se o astro jogaria mais este ano.

Tiger sempre disse que só voltava a jogar quando se sentisse a 100 por cento e este parece o momento.

E o Tigre já confirmou a sua presença no PGA Championship da próxima semana, o último major da temporada, isto, obviamente, se não sofrer nenhuma recaída em Ohio.

A antiga lenda do basquetebol Michael Jordan, amigo pessoal de Tiger Woods, aconselhou-o para os próximos tempos.

“Acho que o Tiger está à espera de explodir novamente. Esta batalha para voltar a vencer está a ser mais dura do que até ele próprio pensava. Mas ele tem de saber lidar com essa situação, antes de voltar a lutar por isso”, disse o antigo astro dos Chicago Bulls, agora proprietário dos Washington Wizards.

E numa altura em que a vida, desportiva e pessoal, de Tiger continua a dar pano para mangas, Michael Jordan acredita que isso vai motivar ainda mais o americano.

“Isso aconteceu-me quando eu jogava basquetebol e tornou-se uma espécie de terapia para mim, levando-me a esquecer tudo o resto. Uma vez acabei de jogar e tive uma melhor percepção das decisões que tinha tomado. Ele não sente isso agora. Ele agora está a passar por uma situação totalmente diferente, totalmente nova e está a absorver isso. Primeiro tem de recuperar, mentalmente e fisicamente, para poder atacar os seus objectivos”, acrescentou.