Encontra a Golf 4 You nas principais redes sociais e ajuda-nos a promover o Golfe Português Golf 4 You no Facebook Facebook Golf 4 You no LinkedIn LinkedIn

Últimas

Um resultado que vem em boa altura
Um resultado que vem em boa altura

Apesar das condições adversas, Ricardo Melo Gouveia fez uma das melhores rondas do dia no British ...

Ler mais
Pedro Figueiredo perdeu uma posição no ranking

No primeiro de dois torneios na China, Pedro Figueiredo, tal como Filipe Lima, já com lugar assegur...

Ler mais
Leishman arrasa concorrência

Marc Leishman somou o 4º título no PGA Tour, depois de conquistar o CIMB Classic. Depois de até ...

Ler mais
A crise no golfe

A crise no golfe

Publicado em 11 de Setembro de 2012 às 23:00

Numa altura em que a crise não só ataca Portugal, mas também o mundo inteiro, o Masters da Andaluzia, agendado para o Club de Golf Valderrama, entre os dias 18 e 21 de outubro, a semana seguinte ao Portugal Masters, foi cancelado devido às dificuldades económicas que afetam igualmente a Espanha, e em particular a região sul do país vizinho.

A confirmação foi hoje feita pelo European Tour, depois da conferência de imprensa de segunda-feira dada pela Junta da Andaluzia.

O principal circuito europeu revelou no seu síte que tentou evitar o cancelamento da prova em conversações com a Real Federação Espanhola de Golfe, até porque havia um acordo formal com a Junta da Andaluzia.

Mas apesar de todos esforços saírem furados, o chefe-executivo do European Tour, George O’Grady, garante que vai tentar fazer os possíveis e impossíveis para que a prova regresse o mais rápido possível.

“São notícias tristes. Somos parceiros da Junta há mais de 25 anos. Nesse tempo organizamos na Andaluzia o Volvo Masters, entre 1988 e 2009, dois WGC – American Express, ganhos por Tiger Woods em 1999 e Mike Wier em 2000, e a Ryder Cup em 1997. Trabalhámos juntos na promoção da região e tanto a Junta como o European Tour sempre estiveram satisfeitos com essa longa e forte parceria”, disse.

“E não nos sentimos desapontados não só pelas pessoas que nos ajudam, mas também por todos os compromissos que tínhamos, com especial destaque para a televisão e consequente promoção da região, bem como todos os visitantes, principalmente do Norte da Europa que vinham para cá passar as suas férias e assistir simultaneamente ao torneio”, acrescentou.

“Mas vamos trabalhar com a Junta para reverter esta situação”, prometeu.

No ano passado, muita contestação se levantou sobre os alegados rumores sobre uma possível decisão do Governo em baixar o IVA para o golfe de 23 para 6 por cento.

Isto porque antes, José Sócrates havia decidido que, à semelhança do que aconteceu com os ginásios e a prática de actividades desportivas em geral, o golfe passaria a ser tributado à taxa máxima do IVA, contra os anteriores 6%.

O sector alegava que havia um risco de uma quebra significativa no número de praticantes, sobretudo entre os muitos estrangeiros que procuram o País para a prática da modalidade, mas a taxa acabou por se manter em 23 por cento.

Não sou fiscalista, nem me atrevo a intrometer nesta área, mas como leigo na matéria e amante da modalidade, penso que esta é uma situação que pode acontecer em breve em Portugal.

Obviamente, estamos a passar por momentos complicados e as medidas difíceis devem tocar a todos.

Se baixassem as taxas do golfe e as aumentassem para os trabalhadores ficaria, certamente, desiludido e revoltado.

Mas penso: “Apesar de tudo, se cancelassem, por exemplo, o Portugal Masters não seriam só os golfistas os prejudicados. Também a hotelaria ou a restauração iriam sentir o peso desta decisão…”

Uma faca de dois gumes…

 

Foto: Getty Images