Encontra a Golf 4 You nas principais redes sociais e ajuda-nos a promover o Golfe Português Golf 4 You no Facebook Facebook Golf 4 You no LinkedIn LinkedIn

Últimas

Melo Gouveia não teve sorte nos greens
Melo Gouveia não teve sorte nos greens

Com um birdie solitário no 12 do Dom Pedro Victoria Golf Course, Ricardo Melo Gouveia entregou um c...

Ler mais
Dia difícil

Pedro Figueiredo e Filipe Lima tiveram um dia para esquecer no Hopps Open de Provence e podem mesmo ...

Ler mais
Tiger Woods não cede

O dia de amanhã promete! Com 18 dos 30 jogadores do Tour Championchip abaixo do Par, e os líderes...

Ler mais
Equipamento para PITCH & PUTT

Equipamento para PITCH & PUTT

Publicado em 13 de Dezembro de 2012 às 23:00

Este artigo pertence à área de conteúdos fernandoserpa

Confesso que não jogo Pitch & Putt, mas como a minha área é equipamento, não quis deixar de “espreitar” para o material com que se joga e deixar algumas notas sobre as especificações que me parecem mais adequadas para a prática da modalidade.

Para uma modalidade que se joga num campo que não pode ter mais de 1.200 metros de comprimento, sendo que o comprimento máximo de um buraco não pode exceder os 90 metros, tendo como restrição o facto de só se poder utilizar 3 tacos, sendo que um deles tem de ser o putter, ficamos muito limitados quanto ao material a utilizar.

Pois bem, quanto aos putter aplicam-se as mesmas recomendações do que para o Golfe tradicional. Deve-se ter especial atenção às especificações do mesmo, tais como comprimento adequado ao jogador, hosel e tipo de balanceamento de face de acordo com o swing de cada jogador. Em resumo, deve-se fazer um fitting de putter, para que se consiga o melhor desempenho nos greens.

Quanto aos outros 2 tacos a utilizar, a combinação de loft’s vai variar de acordo com as distâncias médias de cada jogador, sendo que na sua maioria os lofts enquadram-se entre um wedge de 50º e um wedge de 60º. Não podemos esquecer que alguns jogadores mais jovens ou séniors, podem caso necessitem, recorrer a um ferro 9 ou PW para os buracos de 90 metros, pois o desempenho de excelência nesta modalidade, não se mede pela distância conseguida com cada ferro, mas sim pela precisão do shot efectuado. A distância ajuda, mas não é tudo.

O Pitch & Putt pode ser jogado de tees de relva natural ou de tees artificiais, sendo que os tees artificiais (de tapete) são os mais utilizados (por toda a Europa 95% dos campos de P&P são de tees de relva sintética, “TAPETE”, e os Torneios Internacionais (IPPA e FIPPA) são todos jogados de TAPETE), em virtude do elevado número de voltas médio, com utilização intensiva de wedges, conseguindo-se assim manter os tees em perfeitas condições todo o ano. 

Sendo então o Pitch & Putt jogado maioritariamente de um tee de tapete e não se conseguindo nesse tapete “espetar” um tee de madeira ou plástico convencional, os jogadores utilizam um tee de borracha (anilha de borracha com uma altura baixa), para elevar mais a bola no momento do contacto do taco, conseguindo-se assim gerar spin suficiente para parar a bola mais facilmente no green. Como existem numa volta de Pitch & Putt, buracos muito curtos, cuja velocidade de swing aplicada é baixa, o jogador não consegue imprimir o spin necessário para fazer parar a bola. Daí a utilização da “anilha” de borracha (tee), para facilitar o incremento de spin no shot. Neste caso, algo tão importante como o bounce dos wedges e ferros no Golfe tradicional, seria relevado para segundo plano no Pitch & Putt, em virtude de se bater o shot com a bola colocada na “anilha” (tee de borracha), não fosse o facto dos jogadores nem sempre acertarem no green (ossos do ofício) e terem de jogar de bunkers de green, ou de lies em redor dos greens que nem sempres são fáceis. Face a estas situações que podem ocorrer, a escolha do bounce nos wedges de loft mais baixo (48º, 50º, 52º) pode sempre recair em bounces de 8º ou 10º, sendo que nos wedges de 56º, 58º ou 60º, o bounce já deverá de ser maior, para o caso de se ter de efectuar shots de bunker ou de lies de rougth mais espesso, onde os bounces mais elevados (12º, 14º) são mais facilitadores.

Caso o factor económico não seja impeditivo, o jogador de Pitch & Putt pode optar por ter mais do que um wedge com os mesmos graus e bounces diferentes, para adaptar ao campo em que for jogar/competir.

Uma vantagem que temos hoje ao nosso dispor, após a nova regulamentação de grooves e que veio ajudar a recuperar um pouco do “spin perdido” com o novo formato e volumetria dos grooves, é a nova vareta True Temper DG Spinner para wedges, que incrementa em cerca de 700 rotação o spin gerado pelo wedge. Uma mais-valia que pode e deve ser utilizada no Pitch & Putt, pois ajuda a ”parar” mais facilmente a bola no green e com isso permite ficar mais perto da bandeira. 

No Pitch & Putt o que conta não é distância, mas sim a precisão. Precisão consegue-se com varetas menos flexíveis e mais estáveis. Claro que a flexibilidade está sempre relacionada com a velocidade de swing de cada jogador, mas como estamos a falar de cobrir distâncias máximas de 90 metros, a velocidade de swing gerada não será nunca muito elevada. Contudo, o jogador de Pitch & Putt, deverá sempre fazer um fitting para saber que combinação vareta/cabeça lhe garante a melhor performance nas distâncias médias do Pitch & Putt, tendo em conta a precisão, spin gerado, ângulo de lançamento, a ângulo descendente, factor muito importante para garantir que a bola pára rapidamente no green.

Tal como no Golfe tradicional, o equipamento é um factor essencial e determinante para um bom desempenho. O material não é tudo, mas ajuda!

O meu agradecimento ao grande campeão Português de Pitch & Putt Hugo Espírito Santo, pela informação relevante e esclarecedora que me forneceu sobre a modalidade, que me permitiu analisar e escrever este artigo.

 

Boas tacadas!!!

Fernando Serpa