A Golf4You precisa da tua ajuda. Faz uma pequena contribuição e ajuda-nos a levar até ti os melhores conteúdos de golfe. Obrigado :)

Últimas

Pedro Lencart vence British Boys
Pedro Lencart vence British Boys

Pedro Lencart tornou-se no segundo português a conquistar o British Boys Amateur Championship, depo...

Ler mais
Portugueses com vida difícil

Ricardo Santos, João Ramos e Gonçalo Pinto entraram com o pé esquerdo no Viking Challenge e compr...

Ler mais
Melo Gouveia sai de cena

Ricardo Melo Gouveia foi eliminado por Ashley Chesters na primeira ronda do Paul Lawrie Match Play. ...

Ler mais
SeeMore Putter Company

SeeMore Putter Company

Publicado em 13 de Dezembro de 2012 às 23:00

Este artigo pertence à área de conteúdos fernandoserpa

Não existe nada pior que terminar uma volta de golfe e dizer: “Joguei bem do tee ao green e depois estraguei tudo com vários greens a 3 putts”.

Confesso que “aceito” com mais naturalidade poder falhar shots de driver, madeira de fairway e ferros, do que fazer mais de 2 putts ou mesmo falhar putts curtos. A razão para “aceitar” naturalmente poder falhar a execução de uma pancada com driver, madeiras ou ferros, deve-se ao facto do movimento de swing ser complexo, envolver a coordenação de muitos grupos musculares, ser amplo e como tal difícil de dominar. O swing com o putter, é pendular, curto, muito mais controlável, exige sensibilidade mas não coordenação de muitos factores em simultâneo. Como tal, deveria ser mais “fácil” do que normalmente é, conseguir uma boa concretização e resultados. Costuma-se dizer que com o putter é que se ganha torneios, especialmente se tivermos uma boa consistência no jogo comprido e médio.

Mas afinal, o que queremos e por vezes não conseguimos ter no swing com o putter?

Se no swing completo com os restantes 13 tacos que temos no saco, pela sua amplitude, variação consoante o tipo de pancada que queremos executar (draw, fade, punch, etc.), assume diferentes planos, intervenção de mãos, postura e stance variados, no movimento de swing com o putter, o que queremos é garantir a repetição do mesmo movimento simples e pendular, sempre que executamos a pancada, variando somente a intensidade da mesma, consoante a distância e velocidade dos greens. Mas acima de tudo, a repetição do movimento sem variação das coordenadas base é o factor de sucesso para uma boa performance nos greens.

A SeeMore, marca de putters que se apresentou ao mercado e entrou no Tour em 1998, oferece não só uma vasta gama de putters de inquestionável qualidade, como uma filosofia de utilização dos mesmos, que proporciona um grau de concretização e performance nos greens, acima da média.

E se alguns jogadores de golfe menos atentos a esta indústria não reconhecem de imediato a marca, deixo aqui alguns dados que ilustram quem é a SeeMore.

Em 1999, a marca obtém a sua primeira vitória num Major, através de Payne Stewart, que ganhou o US Open em Pinehurst. 24 putts na volta final e o putt mais comprido da volta, detiveram a concorrência directa de Phil Mickelson e Tiger Woods. Em Setembro de 1999, Payne Stewart liderou as estatísticas de menor número de putts por volta na PGA, tendo ganho com os seus compatriotas a Ryder Cup e morrido tragicamente um mês depois.
Em 2003, Zach Johnson liderou o Nationwide Tour em média de putts por volta, tendo sido o melhor com uma média de 1,699 putts por green in regulation. Terminou em primeiro na lista de ganhos do Nationwide Tour, com 2 vitórias na época. Em 2006 Zach Johnson ganhou a sua primeira prova da PGA com um putter SeeMore.

A partir de 2007 com o lançamento dos 100% USA milled mSeries e com a 2ª vitória num Major, através de Zach Johnson, a marca afirmou-se em definitivo, como uma marca de referência de putters a nível mundial.

Actualmente a marca comercializa os seus produtos em mais de 40 países.

A SeeMore tem o seu sistema de alinhamento exclusivo (RST- The RifleScope Technology) patenteado.

 

Mas voltando ao ponto em que estava, antes de apresentar um pouco da história da SeeMore aos mais incautos, referia-me a toda uma filosofia que está por trás da utilização dos seus putters, factor chave para o sucesso. A filosofia da marca não se resume ao putter, mas também à utilização do mesmo, que se baseia em 4 pontos: stance (ombros e pés alinhados), postura (comprimento do putter adequado para evitar uma tensão excessiva nos músculos lombares), alinhamento (colocação do putter centrado com o seu stance) e grip (o grip é colocado nos dedos e não nas palmas das mãos). Todos eles conjugados garantem uma consistência do movimento e uma repetição do mesmo sempre que se vai executar a pancada. A juntar a estes 4 pontos, na colocação à bola, o jogador não pode ver o ponto vermelho colocado em todos os putters da marca, por trás da vareta (sistema de alinhamento exclusivo e patenteado RST- The RifleScope Technology), caso contrário, a face do mesmo estará aberta ou fechada, consoante se vir o ponto vermelho à esquerda ou direita da vareta, respectivamente.

A grande vantagem da marca, é que o jogador escolhe entre a gama de putters que a marca oferece, aquele com que se sente melhor ao address, o que lhe transmite o melhor feeling, assim como a sensação de toque na bola que mais lhe agrada e a partir daí, basta seguir os 4 pontos da filosofia de utilização dos putters SeeMore, para se começar a ganhar consistência e repetição constante do movimento. Essa é a chave do sucesso!

Tenho experimentado variados putters da gama SeeMore, assim como a filosofia de utilização da marca e posso garantir que rapidamente se sente melhorias na execução das pancadas no green. A SeeMore marca apresenta putters de excelente qualidade (uma gama variada com diferentes tipos de materiais, acabamentos e preços), estando já disponíveis para o mercado nacional.

Caso se pretenda um serviço de fitting personalizado, basta ligar para o nº 922292782.

A marca oferece também um serviço de clínicas para a apresentação dos seus putters e filosofia de utilização dos mesmos.

 

Boas tacadas !!!
Fernando Serpa