Encontra a Golf 4 You nas principais redes sociais e ajuda-nos a promover o Golfe Português Golf 4 You no Facebook Facebook Golf 4 You no LinkedIn LinkedIn

Últimas

Miguel Gaspar não atira a toalha ao chão
Miguel Gaspar não atira a toalha ao chão

Apesar de um duplo no penúltimo buraco, Miguel Gaspar terminou o primeiro dia do Boavista Classic d...

Ler mais
Gautier não deixou escapar a vitória

O alemão Hinrich Arkenau (64+69+64) esteve perto de repetir o triunfo de há dias no Red Sea Egypti...

Ler mais
Tiger Woods estreia-se amanhã em 2019

Tiger Woods escolheu Torrey Pines para fazer a sua estreia em 2019. O antigo número 1 vai jogar as...

Ler mais
Factor pressão

Factor pressão

Publicado em 14 de Março de 2011 às 23:00

Factor pressãoNão tenho formação em psicologia, mas, da pouca experiência como jogador, parece-me que Dustin Johnson vai começar a sentir-se pressionado nos grandes eventos.

Ninguém tem dúvidas acerca das suas qualidades como golfista, mas a história recente diz-nos que o americano não está talhado para ser um verdadeiro número 1.

Sempre de maneira diferente, acabou por pagar a factura da inexperiência digna de um jogador de 26 anos.

Primeiro, falhou no último dia do US Open, para o qual partiu com três shots de vantagem, ao assionar um decpcionante 82 ao PGA National.

Depois, foi penalizado no último buraco do PGA Championship por pousar o taco no chão, naquilo que devia saber que era um bunker, quando liderava por uma.

Agora, este fim-de-semana, entrou para a última volta do WGC – Cadillac Championship dois shots à frente de Luke Donald, Matt Kuchar e Nick Watney, mas o seu 71 (-1) acabou por não ser suficiente, uma vez que Watney acabou por entregar um brilhante cartão de 67 pancadas (-5) para vencer.Factor pressão

É verdade que Dustin Johnson parece estar a melhorar cada vez mais, mas continua a faltar-lhe um bocadi-nho “assim”,

Como podemos ver, nem só os amadores podem falhar no momento decisivo.

Por isso, e, voltando a frisar a minha pouca experiência em psicologia, digo que mais vale acreditar que se pode vencer no fim, do que ficar a pensar que o mundo é injusto.