Encontra a Golf 4 You nas principais redes sociais e ajuda-nos a promover o Golfe Português Golf 4 You no Facebook Facebook Golf 4 You no LinkedIn LinkedIn

Últimas

Miguel Gaspar não atira a toalha ao chão
Miguel Gaspar não atira a toalha ao chão

Apesar de um duplo no penúltimo buraco, Miguel Gaspar terminou o primeiro dia do Boavista Classic d...

Ler mais
Gautier não deixou escapar a vitória

O alemão Hinrich Arkenau (64+69+64) esteve perto de repetir o triunfo de há dias no Red Sea Egypti...

Ler mais
Tiger Woods estreia-se amanhã em 2019

Tiger Woods escolheu Torrey Pines para fazer a sua estreia em 2019. O antigo número 1 vai jogar as...

Ler mais
O ranking da polémica

O ranking da polémica

Publicado em 17 de Abril de 2012 às 23:00

O fato de Rory McIlroy ter recuperado a liderança do ranking mundial sem bater um único shot levantou novamente a polémica.

Quando este domingo se percebeu que Luke Donald não ia conseguir terminar no top-8 do RBC Heritage, onde defendia o seu título, que lhe permitia continuar como número 1, Rory McIlrou twitou: "#1 mais uma vez, e sem tocar num taco esta semana... Desejei que fosse assim tão fácil!".

Após a sua ronda, Donald sublinhou que "o ranking é uma questão de consistência".

E deveria ter acrescentado: "E jogar os torneios certos".

É que ao estar nos primeiros lugares da hierarquia - o top-50 tem entrada direta em todos -, um jogador pode escolher onde vai jogar, ou seja pode simplesmente jogar os torneios que valem mais pontos, e assim manter-se entre a elite.

Por exemplo, esta semana, os principais artistas vão ficar novamente a descansar, regressando grande parte deles na próxima, no Wells Fargo Championship, antes do The Players Championship.

Na realidade, o ranking mundial não espelha o melhor jogador do mundo.

Se não vejamos:

É verdade que Donald somou 14 top-10 no PGA Tour e 4 no European Tour em 2011, ganhando dois torneios em cada circuito.

Mas, por exemplo, com a vitória deste domingo no Open de Houston, Carl Petterson elevou para cinco o número de triunfos no principal circuito americano.

E isso não quer dizer que o sueco seja o melhor jogador do mundo - é apenas o número 35...